A força do hábito.

A história do Vini; O grande poder dos pequenos passos; Desenvolvendo disciplina com flexibilidade.

Hoje na nossa newsletter: A história do Vini; O grande poder dos pequenos passos; Desenvolvendo disciplina com flexibilidade.

Hoje é dia de festa. É o sexto mensário da depressão do Vini. Nesse sexto mês de seu diagnóstico, Vini nos conta sobre como um podcast literalmente mudou sua vida, como pequenos hábitos diários o levaram a uma meia-maratona, como ele ainda luta com a disciplina e três dicas para começar uma rotina mais saudável.

Nossos destaques da semana:

Continuamos na leitura do Mito do Normal e estamos aprendendo muito sobre nós mesmos com cada capítulo. Thaís adorou aprender sobre a filosofia tolteca com o pequeno, mas maravilhoso livro Os Quatro Compromissos; e o Vini aproveitou uma inspiradora excursão ao coração da literatura russa com este magistral livro do George Saunders. O outono em Paris tem sido lindo. Temos tentado aproveitar bem os últimos dias de sol, com uma semana repleta de momentos na natureza. Vendo as árvores se separando de suas folhas que não lhe servem mais, refletimos sobre como podemos nos separar de hábitos e convicções que não nos ajudarão na nova estação da nossa vida.

Thaís e Vinicius

Bora dar o fora de uma rotina que não nos serve mais?

Dando o fora em…

3…

Como cheguei aqui: A história do Vini.

Em março deste ano, após várias semanas de um burn-out, cheguei em casa da minha primeira consulta psiquiátrica com uma caixa de antidepressivos na mão.

Nesse mesmo dia, ouvi num episódio do Armchair Expert com um psiquiatra da Universidade de Harvard, Dr Chris Palmer, algo que muitos estudos clínicos já haviam demonstrado: a atividade física pode ser mais benéfica para condições como ansiedade e depressão do que medicamentos.

Decidi então que iria tentar colocar em prática esses aprendizados antes de me comprometer por um ano com os antidepressivos (ferramentas necessárias em muitos casos). Faria isso por um mês. Se desse certo, continuaria por mais um mês. Senão, daria uma chance ao remédio.

Eu construí a minha nova rotina a partir do conceito da pirâmide da "Energia Vital" do Psicólogo Phil Stutz, que conheci através deste maravilhoso documentário na netflix. A base da pirâmide é o corpo, destacando a importância do bem-estar físico obtido por meio do exercício, sono e uma dieta equilibrada, que melhora o bem-estar geral. O próximo nível gira em torno das relações interpessoais, enfatizando a importância de nutrir relacionamentos positivos, pois eles oferecem apoio essencial para o crescimento pessoal. O nível superior envolve a autorreflexão por meio de escrita ou caminhadas conscientes para se conectar com seus pensamentos e estado emocional.

Seis meses depois…

Quase todos os dias eu ainda falho em completar a rotina. Alguns dias são melhores do que outros. Não tem sido fácil, mas hoje me sinto melhor, mais energizado e mais presente.

Hoje completo seis meses dessa minha nova rotina. O resultado do experimento: corri uma meia-maratona, escrevi metade de um livro e comecei um maravilhoso projeto com minha esposa do qual você agora faz parte (obrigado por estar aqui).

Os antidepressivos continuam guardadinhos… just in case.

2…

O grande poder dos pequenos passos.

No dia a dia é normal nos sentirmos aprisionados pela rotina. Mas nossa rotina hoje nada mais é do que o resultado de várias decisões e hábitos que tomamos e criamos no passado. Assim, criamos nosso dia a dia muitas vezes sem nem perceber, com pequenas decisões e passos que se acumulam ao longo do tempo.

Em seu livro Hábitos atômicos, James Clear mostra que essas pequenas decisões e passos diários, se aplicados intencionalmente, também podem ser a chave para grandes mudanças. Ao implementar minúsculos hábitos diários que reforcem a pessoa que você quer ser (i.e. alguém saudável; um corredor; um escritor), você pode construir um sistema com potencial de gerar altos retornos a médio ou longo prazo.

Cada ação que você pratica é um voto para o tipo de pessoa que você deseja se tornar.

James Clear, Atomic Habits (2018)

No meu caso, apliquei essas dicas para estabelecer o hábito de escrever. Me comprometi a escrever vinte palavras por dia em meu diário ou livro. Parece pouco, mas o foco não está na quantidade de palavras e sim no hábito de sentar todo dia para escrever. Um outro exemplo, estudos demonstram que caminhar por apenas 20 minutos por dia já pode ter um impacto enorme na saúde física e mental.

Ao atingir a "pequena" meta hoje, recebemos uma recompensa de energia e entusiasmo para repetir amanhã. Após alguns meses - em média 66 dias, de acordo com este estudo - o que era uma escolha diária, terá se tornado uma parte natural da sua vida.

1…

O hábito mais difícil: a flexibilidade

A construção de uma nova rotina é difícil, demanda tempo, energia e muita perseverança. É fácil esquecer de se apoiar nos momentos de dificuldade ao longo do caminho. Talvez o hábito mais difícil de desenvolver seja o de ser flexível e compreensivo consigo mesmo. Disciplina sobre a disciplina é essencial, pois a falha faz parte do processo. Em quase nenhum dia eu consigo completar todos os hábitos que quero criar ou manter.

Mas eu sei que estou dando o meu melhor e que todo dia eu tenho mais uma chance de avançar. Como explica Ryan Holiday sobre o conceito de autodisciplina no estoicismo:

"Você não é o inimigo. Você é a pessoa que está fazendo o melhor que pode. Você é a pessoa que está melhorando todos os dias… É um ato de autodisciplina ser gentil consigo mesmo. Ser um bom amigo. Não destrua-se. Construa-se. Melhore-se. É isso o que fazem os amigos."

Hoje em dia, se eu acordo atrasado e não consigo correr e meditar antes de começar meu dia, fico incomodado por sair da rotina. Mas estou aos poucos tentando desenvolver uma vozinha mais gentil dentro de mim que me lembre que este incômodo é, por si só, uma vitória. Um belo exemplo de que minha rotina (=vida) mudou pra melhor.

Dando o fora:

Dando o fora na rotina: três recomendações.

Extraímos três recomendações das nossas leituras e experiências pessoais que servem para qualquer mudança de rotina:

  • Não espere para começar um novo hábito. O melhor dia não é segunda-feira que vem (exceto se o hábito for ler o Dando o Fora!), nem o primeiro dia do mês ou do ano. O melhor dia para começar a mudar sua rotina é hoje.

  • Não espere estar motivado para tentar novos hábitos. Primeiro vem a ação, depois a motivação.

  • Comece com hábitos que possam ter impacto positivo em outros hábitos. Por exemplo, quando fazemos esporte, um exemplo de upstream habit, percebemos que dormimos melhor e conseguimos evitar calorias inúteis. Afinal, quem vai comer uma barra de chocolate após aquele sufoco na academia?

Mas lembre-se: tudo depende de como você quer mudar sua vida e das suas atuais circunstâncias. O importante é saber que você não está sozinho, que todo pequeno passo conta e que existem ótimos profissionais e recursos que podem te ajudar no caminho. E se você sentir que realmente não tem com quem conversar, morando no Brasil, disque 188 para apoio emocional personalizado.

Vem dar o fora conosco no Instagram e no LinkedIn!

Join the conversation

or to participate.